domingo, 19 de abril de 2009

Como em Closer

Finjo que não estou ansioso. Que acordei cedo por causa da insônia e que estou de mau humor. Mas estou eufórico por dentro. É domingo e vou encontrar Francisco logo pela manhã.
Depois do banho um café apressado, que minha mãe deixou de questionar. Ela sabe que encontro alguém aos domingos, mas desconhece a finalidade. Diante do espelho respiro fundo. O celular ainda não tocou. Trancado no quarto examino meu corpo, suas potencialidades e imperfeições, muito mais interessantes, humanas, verdadeiras. Tudo tudo será explorado. É um grande bem que ele me faz. O celular toca e eu corro nu. Depois de ouvir sua voz é difícil esconder minha excitação sob qualquer roupa. Saio quase correndo dizendo que volto antes do almoço. Na rua entro mais que depressa no seu carro e como é de praxe não falamos uma palavra. Nada até chegar no quarto e trepar. Ele evita vulgaridades, mas sei que sua mente é tão pervertida quanto a minha. Estou cansado de me guardar. Por isso te traí ontem Francisco. Com o barman, finalmente o barman. E bastaram duas doses, querido Chico. Eu estava lânguido demais para resistir. Mas você ainda é meu bom amante dos domingos e eu preciso das matinées. A fome é grande ao acordar. Você está diferente, ele me disse. Não fui capaz de falar. Como todos sabem eu adoro um sexo culpado.

4 comentários:

felipe ! disse...

variar, pra não cair na mesma. não sei se isso é certo, mas talvez, prazeroso... :)


melancolia e nostalgia. o que mais se precisa pra base de um bom texto ? [muitas coisas sim, mas esses ajudam]

BarelyEly disse...

ai felipe, eu ia apagar agora mesmo essa postagem (achei tão vulgar) permita q eu pelo menos edite...

Lyca disse...

Ah..eu gostei! Blé

Mari Araujo. disse...

AMEI... dá pra sentir q fluiu quase como uma "vingança"... mas a vida é isso... "COM PRAZER E SEM PUDOR"...